Objetivo desse blog



O objetivo desse blog é compartilhar com vocês aquilo que tenho ganhado na comunhão com os santos e ao ler a palavra do Senhor!


"Achadas as tuas palavras, logo as comi; as tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo teu nome sou chamado, ó SENHOR, Deus dos Exércitos." Jeremias 15.16


segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Cônferência na Estância Árvore da Vida. Setembro 2012

O ministério que seguimos e praticamos.
Irmão Dong Yu Lan - Tradução - Salomão.
Mens. 4 Jesus recebe o ministério.
Mt. 8:3.
O Senhor nasceu de uma virgem Maria e no seu nascimento, Herodes queria matar o Senhor frente à possibilidade Dele ser o rei dos judeus. Os pais foram advertidos por um anjo e precisaram fugir para o Egito. Só voltaram quando souberam que Herodes havia morrido. Os magos do oriente não foram avisar o rei após a visita que fizeram. Herodes enfureceu-se e mandou matar todos os meninos abaixo de dois anos.
Novamente o anjo apareceu dizendo que Herodes havia morrido e eles voltaram para Nazaré. Por isso, Jesus foi reconhecido no começo da sua obra como Jesus, o Nazareno. E era desprezado, pois eles achavam que não poderia vir coisa boa de Nazaré, lugar desprezado pelos judeus. Porém era necessário que tudo ocorresse assim, para que se cumprisse a palavra profética.
O Senhor cresceu no Egito, depois foi para Nazaré. Nesse tempo de infância, havia três grandes festas que Jesus, sendo judeu, participava. Somente adulto, com 30 anos, Ele foi batizado e começou a sua obra. Ele esperou 30 anos para receber o batismo de João. Morou em lugares diferentes, não em Jerusalém, mas ia até lá nas três festas anuais. Desde a infância ele participava das festas em Jerusalém, subindo com os grupos para lá. Certa vez, Jesus desapareceu numa dessas festas. Ele era adolescente e deveria estar entre adolescentes. Depois de um tempo, seus pais foram procurar o Senhor, mas que não o acharam. Voltando para Jerusalém, encontraram Jesus no templo. Desde a infância, ele amava o templo. O Senhor, nesses primeiros trinta anos, viveu tais experiências, contatou diferentes tipos de pessoas. Isso foi uma determinação de Deus. Deus queria que nesses primeiro trinta anos ele experimentasse o que é a natureza humana, com seus diferentes aspectos e debilidades. Experimentou alegrias e tristezas. Isso tem tudo a ver com o início do seu ministério.  
Temos estudado o que é a fragilidade humana, desde Adão. Eva foi tocada em sua fragilidade e emoção. Satanás a tocou na emoção. Ela tocou no fruto e não morreu naquele momento. O Senhor havia dito que se o homem comesse daquela árvore, morreria. Satanás tocou na emoção dela. Ela, porém, convenceu Adão e ambos foram expulsos do Édem. Deus é Jeová e não pode voltar no que falou. Satanás usa muitos artifícios para estragar o plano de Deus.
Em Babel, por exemplo, Satanás levantou Ninrode para ser invocado. Uma grande rebeldia ao Senhor e Deus precisou julgar a situação novamente. Não poderia ser com o dilúvio, pois foi com o dilúvio que ele julgou a geração de Noé. Com o fim do dilúvio, Ele havia feito uma aliança com o homem, através do arco- íris. Deus não poderia usar mais o dilúvio. Ali em Babel, Deus achou outra maneira: confundir as línguas. Assim, a humanidade não poderia ficar junta e não haveria unidade. Não poderiam continuar com o projeto Babel, pois não se entendiam. O método de Satanás é escravizar o homem com a idolatria.
Então, Deus precisou chamar Abraão. Ele vivia em Ur dos Caldeus, cidade muito idólatra. Deus o chamou para sair dali. Abraão era jovem ainda e morava com os parentes. Como jovem, não deu esse passo de sair. Seu pai, Terá, percebeu isso e saiu com Abrão. Saíram e chegaram à Arã. Arã era dentro da Assíria. Ali era cheio de pecadores e pessoas más. Como sabemos disso? Pelo exemplo da história de Jonas. Deus havia pedido para Jonas avisar a Nínive do seu pecado, mas esse teve medo de pregar, Deus se arrepender e a cidade não ser destruída. Ele fugiu e no final, ficou três dias e noites na barriga do peixe. E o peixe o vomitou em Nínive. Ele então pregou, o povo arrependeu-se. Daí sabemos que a terra era pecaminosa.
Então, Abraão foi para Arã, na Assíria, lugar de pecado. Ali Deus o chamou novamente para sair da terra, da parentela e da casa do pai. É como se Deus dissesse: “Saia você, pois é você quem Eu estou chamando!”. Louvado seja o Senhor. Ao sair, sem saber para onde ia, ele saiu com fé. Chegou ao lugar que Deus havia prometido, Canaã, uma terra fértil e rica. Em Deuteronômio vemos as riquezas dessa terra - com rios, fontes e mananciais, que representam o Espírito, Jesus e Deus Pai.
Tudo naquela terra era alimento, o que mostra a fartura da terra. Ali Abraão fez um altar para invocar o Senhor e uma tenda, deixando claro seu novo modo de vida. Um dia, o Senhor veio provar sua fé. Houve falta de água e escassez de comida na terra, mas Ele não conseguiu crer e abandonou Canaã, por não suportar a seca. Mudou-se para o Egito. Pelo fato da sua esposa ser bonita, disse para os homens da terra que ela era irmã e não sua esposa. O Faraó logo a quis e a tomou para si, sem saber da mentira de Abraão. Mais tarde, Faraó descobriu, ficou muito irado por ter pecado sem saber e expulsou a Abraão do Egito. Ele voltou vergonhosamente para Canaã. No início Abraão não tinha tanta fé. Ele enricou com prata, ouro, gado, mas no Egito. Voltou para Canaã. Teve filhos e Isaque na sua velhice.
Na época de Isaque, também houve fome em Canaã, mas Deus guardou Isaque e ele parou no meio do caminho, não descendo ao Egito. Jacó também enfrentou a fome e por isso precisou mandar seus filhos para o Egito. Ali eles foram para o Egito e por causa de José e do que ocorreu entre ele e seus irmãos: José foi jogado num poço, vendido aos ismaelitas, foi escravo de Potifar, preso por causa de mentira da mulher desse e, por interpretar o sonho do padeiro e do copeiro, foi chamado para interpretar os sonhos de Faraó. Assim ele ficou como administrador da terra do Egito, com toda autoridade. Foi nessa ocasião que seus onze irmão vieram comprar alimentos dele, sem o reconhecer. José os recebeu e no tempo certo se revelou aos irmãos, pedindo que seu pai viesse morar com ele. Jacó veio, foi muito bem recebido por Faraó e a terra mais fértil do Egito foi entregue para eles. Ali nascia tudo o que era plantado, por estar próximo ao Delta do ri Nilo. Isso durou 400 anos. Eles viviam com conforto na terra e tinham tudo facilmente. Eram em dois milhões e viviam muito bem.
Mais tarde, outro Faraó, que não conhecia José e a sua história, escravizou os Israelitas com medo que o grupo crescesse e se unisse aos inimigos para derrotá-los. Então, colocou todos sob trabalhos forçados. Com certeza o povo já havia se esquecido de Deus. Na servidão, o povo lembrou-se de Deus. Às vezes somos assim: esquecemos-nos do Senhor. Quando ganhamos o emprego, nos esquecemos do Senhor Jesus. Você pode esquecer-se de Deus, mas Deus não se esquece de você. Invoque o Senhor. O povo era açoitado, castigado por trabalhos impossíveis. Assim clamaram: Oh Jeová! E O Senhor chamou Moisés.
Satanás usou com Abraão a idolatria em Ur, o pecado na Assíria, e depois usou a sobrevivência, através o Egito. Tentou Abraão, Isaque, Jacó e quando os filhos de Israel se estabeleceram de vez no conforto do Egito, Deus permitiu que Faraó, duro, escravizasse o povo e resistisse às dez pragas. Somente na décima, quando os primogênitos egípcios foram mortos, é que os Israelitas foram salvos por meio do cordeiro e do sangue posto na porta. Esse sangue derramado, representando o Senhor Jesus, salvou Israel da morte. O Senhor é como esse cordeiro: foi examinado por quatro dias e quando Pilatos disse: não acho motivo de culpa nesse homem e lavou as suas mãos para que esse sangue caísse sobre os judeus, Ele foi considerado digno de ser crucificado, porque, sem pecados, podia morrer em nosso lugar, como o cordeiro sem defeito, morto por família, para ser comido inteiro e depois ter o sangue passado no umbral da porta, de maneira que quando o anjo da morte passasse, eles fossem considerados inculpáveis.
Esse era o sangue do primogênito de Deus. Por que páscoa? Porque significa passar por cima. No outro dia, eles foram para fora do Egito. Era um momento de muita dor para os egípcios. Nesse momento Israel fugiu. Mais tarde, os egípcios foram para a perseguição. Moisés passou com Israel pelo mar vermelho e até os egípcios passaram, mas no meio do mar, quando o último israelita passou, o mar fechou-se sobre os inimigos. Essa foi a passagem desse povo pelo mar. Essa também é a nossa condição. Nós saímos desse mundo da idolatria, sobrevivência, escravidão e fomos tirados para fora. Satanás os escravizou por 400 anos. Agora, eles foram separados do Egito pelas águas do mar vermelho. Isso representa o batismo. Deixamos tudo nas águas, como o povo deixou no mar.
O Senhor, aos trinta anos de idade, passou pelo mar, pelo batismo. Nesses 30 anos ele viveu a vida humana, a humanidade comum. Viveu com todas as dificuldades e percebeu que o homem tinha situações sem saída. Era como o povo do Egito.  Moisés liderou o povo para passar pelo mar, que significa o batismo. Ali no deserto ficaram quarenta anos. O local era perto de Canaã, uma caminhada de no máximo 10 dias, mas isso não foi assim que aconteceu. O povo saiu, mas não estavam aptos para servirem a Deus, estavam cheios da sua própria alma. Precisaram ficar quarenta anos para que os anímicos caíssem no deserto. Quem entrou: a nova geração. Moisés era líder desse povo. Moisés também era alguém que deveria entrar. Na condição de Moisés, ele não pode entrar em Canaã. Na segunda situação de falta de água, ele feriu a água novamente, o que significou crucificar o Senhor duas vezes. O Senhor havia dito para ele apenas falar à rocha, que dela sairia água, mas a sua ira da alma o fez bater na rocha com seu cajado. Ele feriu a rocha. Até saiu água, mas Moisés desobedeceu ao Senhor. Ele arrependeu-se, mas Deus não o permitiu entrar em Canaã. Toda essa geração não poderia entrar, pois o coração deles ainda estava cheio do Egito. Precisaram passar o Jordão. Moisés arrependeu-se e pediu com muitos rogos, mas o Senhor lhe disse: Basta! E não permitiu que Moisés entrasse em Canaã
Adão também desobedeceu ao Senhor, seduzido por sua mulher. Moisés feriu duas vezes a rocha, deixando manifestar a sua alma. Ele não pode entrar no reino dos céus. Na época de Jeová não havia outra solução: errou, não servia mais. Mas e hoje? Hoje Deus iniciou seu ministério com o arrependimento. Por quê? Porque Ele, como homem, sabe o que é sofrimento humano, o que é ser homem, filho, marido. Hoje, você e eu, através do sangue de Jesus e do arrependimento, estamos aptos para entrar no reino dos céus. Hoje ainda vivemos nesse mundo e sofremos com o pecado, porém temos o sangue e o perdão de Deus. Hoje há o arrependimento. É pelo sangue de Jesus, do Filho de Deus. Tamanho sangue! Pelo sangue podemos ser batizados e os céus se abrem para nós. O espírito desce como pomba para nós, assim como desceu sobre o Senhor.
Após ser batizado, o Senhor pode iniciar seu ministério e exercê-lo. Jesus é o Senhor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário