Objetivo desse blog



O objetivo desse blog é compartilhar com vocês aquilo que tenho ganhado na comunhão com os santos e ao ler a palavra do Senhor!


"Achadas as tuas palavras, logo as comi; as tuas palavras me foram gozo e alegria para o coração, pois pelo teu nome sou chamado, ó SENHOR, Deus dos Exércitos." Jeremias 15.16


segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Conferência Internacional Estância Árvore da Vida.

O ministério que seguimos e praticamos.
Mens 14: O último ministério revelado pelo Senhor.
Irmão Dong Yu Lan
Jo 21:21-23
Estamos falando do último ministério: o ministério de João. No contexto geral, o Senhor já havia ressuscitado entre os mortos, após sua morte e ressurreição. Porém, os discípulos estavam meio perdidos, sem saber o que fazer.  O Senhor apareceu aos discípulos, mas estes não criam. Tomé, por exemplo, foi um que precisou colocar as mãos no lado do Senhor, pois estava incrédulo. O Senhor disse para Tomé: "Bem aventurado os que não viram, mas creram.".
Pedro resolveu pescar e outros foram com ele. Naquela noite, apesar de serem especialistas na pesca, nada pescaram. Pescaram a noite toda em vão. Ao terminar a noite, estavam na praia e o Senhor lhes apareceu, pedindo que eles laçassem a rede novamente. Quando puxaram a rede, havia 153 grandes peixes. Pedro pulou do barco e os demais vieram com o barco. Na praia, o Senhor já tinha preparado os pães e os peixes. Essa é a terceira vez que o Senhor se manifestava aos discípulos. O Senhor perguntou para Pedro: “Amas-me mais que os outros?” E depois perguntou mais duas vezes, como quem diz: “Não pesque mais. Cuide, pastoreie, apascente as minhas ovelhas.”. Pedro entristeceu-se quando o Senhor lhe perguntou três vezes, pois parecia que Deus não lhe dava crédito. Na verdade, o Senhor estava mostrando-lhe eles cria em suas ferramentas, em sua força para garantir seu sustento e que o Senhor precisava ser amado mais do que qualquer ferramenta.
O que você ama mais? O seu sustento, as suas ferramentas? É nisso que você crê? Às vezes os irmãos se juntam e não falam da palavra, mas de marca, carro, prestação, economia, esquecendo-se da palavra de Deus. Por sua causa, por nossa causa, Deus libera essa Palavra. Você a digere? Ou você fica falando da sua sobrevivência? Cada um saiba como responder.
No vers. 18 o Senhor diz: “Quando você era mais moço, cingia a si mesmo e ia para onde queria. Quando for mais velho, outros te conduzirão. Pedro mais moço, como assim? Já tinha andado com o Senhor três anos e meio. Ainda era moço. Será que o Senhor aqui falava de idade física? Não! Ele estava falando de alguém maduro na idade espiritual. Quando você cresce, não age como bem entende. Você age através da vida de Deus em você. Quantas vezes você já ouviu falar sobre isso? Quantos anos você tem perante Deus? Você age como uma criança ou como um adolescente? Quando você é criança pode agir de qualquer maneira, mas quando você cresce é mais restrito no seu ser. 
Qual é a melhor maneira de negar a alma? É queimar com o fogo do Espírito.  Quando a vida cresce, deixa de se achar autossuficiente. Você necessita mais dos outros, deseja que outros te levem e te conduzam. Vê que precisa do pé ou da mão, como está descrito em 1 Co 12. Antigamente, você servia sozinho, mas depois passa a servir em coordenação e comunhão com os demais irmãos. Ainda no versículo 18, João interpretou que isso queria dizer com que gênero de morte Pedro haveria de morrer, porém, na sequência, o Senhor disse para Pedro: segue-me. Quanto mais você tem comunhão com os outros, mais pronto estará para servir e para errar menos. Diga: “Irmão, eu preciso de você!”
Pedro poderia ter respondido: “Eu vou fazer!”, mas respondeu: "E quanto a este?". Esse texto mostra como não é fácil negar a alma. Moisés, por exemplo, ajudou a muitos, mas quando foi tocar a rocha, fez conforme a sua vontade e perdeu a chance de entrar na boa terra. Tudo porque ele viveu na era da lei, onde não havia chances.
Jesus nos entende, ele viveu a natureza humana, sabe o quanto é difícil.  Ele se compadece de nós. Pedro quis saber de João. Por que ele tinha que seguir? E João? Respondeu-lhe Jesus:
“Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa? Quanto a ti, segue-me.”.
Até hoje, 2000 anos depois, o Senhor ainda não voltou. O que de João permanece até a volta do Senhor?  O seu ministério. O homem João morreu, mas seu ministério ficou. No ano 72 dC, Pedro e Paulo foram martirizados. O General Tito matou quase todos. Esse general romano destruiu Jerusalém, prendeu e matou os que se opunham ao Império Romano. João não! Ele não foi considerado um criminoso. As leis romanas eram muito rígidas. Ele foi considerado cúmplice e somente os culpados eram condenados, não os cúmplices. João vivia no Espírito todo inclusivo: no Pai, no Filho e no Espírito. E João iniciou o Espírito.  João não era o principal criminoso, então foi desterrado para um local desértico. Ele foi para Pátmos e durante 20 anos deve ter permanecido ali se lembrando das palavras do Senhor naqueles três anos e meio.
Nas biografias de Jesus, vemos Mateus, com seu relato sobre o reino, por ter interesse em assuntos relacionados à política; Lucas com seu relato minucioso e Marcos falando do Senhor como servo, além de muitos outros escritos que foram feitos na época. Mas Deus não se sentiu satisfeito com apenas o que foi escrito pelos evangelistas, falando da obra do Senhor, de como ele expulsava demônios ou curava. Aquilo não representava com precisão o que o Senhor havia feito na terra. Por isso Deus guardou João. Depois que saiu de Pátmos, João escreveu o evangelho, as cartas e Apocalipse. João beneficiou-se e recebeu a vida, o Espírito! Saiu de Pátmo para fazer a obra do Senhor e pôde servir e ajudar a igreja em Éfeso, que havia recebido as palavras de Paulo na alma. Gostavam de analisar, discutir. Isso não beneficia os santos, mas leva para a alma.
João escreveu em idade avançada e ali ele registrou aquilo que se lembrava do Senhor. Ele disse que do Senhor saiu sangue e água. Sabemos que o Senhor sangrou. Do seu lado saiu sangue e água. João 19: 34. Ele morreu e ressuscitou para dar-nos vida.  Qual a verdadeira situação da crucificação do Senhor?
19.31 “Então, os judeus, para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, visto como era a preparação, pois era grande o dia daquele sábado, rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados.”.
Ali vemos que era véspera de sábado, dia da preparação para a páscoa. No sábado não poderia ser feito nada. Então resolveram quebrar as pernas dos crucificados, para acelerar a morte desses. Quando chegaram ao Senhor, ele já estava morto. Então, o soldado abriu o lado do Senhor com uma lança. Do seu lado saiu sangue e água. Assim, como do lado de Adão saiu Eva, a igreja saiu do lado do Senhor. A água saiu. Das feridas das mãos e da coroa de espinhos saía muito pouco sangue, mas do lado do Senhor jorrou o sangue.
Então João se lembrou de tudo. Por intermédio de João, o Senhor mostrou a verdadeira situação da crucificação. Ali saiu sangue em grande quantidade e os que estavam mais distante viram o sangue sair. Mas João, por estar perto, viu sair água. João tinha intimidade com o Senhor. João registra até a conversa que o Senhor teve com ele e Maria. Ele disse que Maria era mãe de João e João era filho de Maria, mostrando a intimidade e proximidade entre eles.
Por isso, amados irmãos, vemos que o Senhor primeiro morreu, levando todo o pecado do homem, fazendo morrer na cruz o velho homem, a velha vida da alma. Então, depois de morto, do seu lado saiu o sangue e com o sangue, a água. Jesus morreu primeiro e depois saiu sangue para resolver o problema do nosso pecado, para purificar-nos. E depois saiu a água, para nos suprir vida! Foi isso que João registrou e esse era o seu ministério! Esse é o ministério que nos leva para a vida de Deus.
Vamos governar o reino de Deus. Precisamos passar pelo reino. Para isso, precisamos desfrutar do Espírito e da vida do Senhor. Hoje, no ministério de João, desfrutamos do Espírito e da Vida. Qual o nosso ministério? Praticar as revelações dadas por João. Praticar o que João falou: Espírito e vida.


Nenhum comentário:

Postar um comentário